segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Saudade, coisa esquisita




Saudade!!!

Ela vem chegando,
tropereando...tropereando
tudo de bom que vivi.

Depois que a saudade apeia
amarra o pingo e sesteia,
nunca mais a gente ri.

Isto é: sempre há sorriso
mas para isso é preciso
enganar como perdiz
que piando numa moita
noutra se esconde afoita
fingindo que náo piou.
A gente não é feliz!

So ri dos dentes pra fora,
um gargalhar disfarçado,
uma risada amarela,
como potro atropelado
como boiada que estoura
na saída da cancela.

Saudade cheira a alecrim
mas é ruim que nem cupim
que dá em várzea de campo;
fere a gente de tal jeito
que o coração cá no peito
se banha nágua do pranto.

Saudade é grama cidreira,
é guecha passarinheira
que a gente nunca domina;
é dor aguda e danada,
dói mais do que uma chifrada
de vaca mansa brasina.

Saudade, coisa esquisita,
que Deus te faça bendita
como a hóstia no altar!...

Pois, de tudo que já tive,
somente a saudade vive,
vive a me acompanhar!!!


Lauro Rodrigues
Antologia Crioula do RS

3 comentários:

  1. Nossa gostei muito do que li por aqui, meus parabéns, vou seguir ok? Dá um pulo lá no meu e dá uma olhada, axo q vc vai gostar. Me siga tbm se possível :p

    ResponderExcluir
  2. Poemas lindos e maravilhosos que nos transportam a outra dimensão e nos transmitem paz e serenidade.
    Muito obrigado.
    manuel aldeias

    ResponderExcluir
  3. Cheguei e me abanquei. Gostei tanto que esse acima já copiei. Se rimou não sei, que vou publicar no meu blog, isso, eu sei que vou. Voltarei mais vezes. Um grande abraço do Universo

    ResponderExcluir